Fatos Históricos, Museu

A história das placas de rua “street signs”

A história das placas de rua “street signs”

As placas de rua ou “street signs” têm sido usadas para orientar as pessoas nas cidades e vilarejos há muitos séculos.

Uso pelos romanos

Os romanos foram conhecidos por suas habilidades em engenharia e construção, e as placas de rua eram apenas uma das muitas inovações que eles desenvolveram para melhorar a vida nas cidades e vilas.

As placas de rua romanas eram chamadas de “miliaria” e eram colocadas ao longo das estradas para orientar os viajantes e mensageiros. Essas placas eram feitas de pedra e apresentavam informações importantes, como a distância para as cidades mais próximas, os nomes dos imperadores reinantes e outras informações relevantes.

Antigas “militarias” romanas

As miliaria eram especialmente importantes para os militares romanos, que usavam as estradas romanas para se mover rapidamente pelo império. As placas de rua permitiam que os soldados soubessem onde estavam e quanto tempo levaria para chegar ao próximo destino.

Além disso, as placas de rua romanas também eram usadas para fins administrativos. As estradas romanas eram divididas em seções, e cada seção tinha uma placa de rua que indicava o número da seção e outras informações relevantes. Isso ajudou os administradores romanos a manter registros precisos e a garantir que as estradas estivessem em boas condições.

As placas de rua romanas foram uma inovação importante que ajudou a construir o império romano e melhorar a vida nas cidades e vilas. Seu legado pode ser visto até hoje nas placas de rua modernas que orientam as pessoas em todo o mundo.

Placas na Idade Média

Durante a Idade Média, as placas de rua eram feitas principalmente de madeira e eram penduradas nas paredes das casas ou nas esquinas das ruas. Essas placas eram muitas vezes pintadas à mão e apresentavam imagens ou desenhos para ajudar as pessoas a identificar os locais.

As placas de rua medievais eram geralmente criadas por artesãos locais e muitas vezes apresentavam figuras religiosas ou símbolos da cidade ou da guilda local. Algumas placas também incluíam um pequeno texto que indicava o nome da rua ou a atividade que era realizada naquele local.

Na Europa medieval, as placas de rua eram uma forma importante de publicidade para os comerciantes e artesãos locais. A maioria das cidades medievais tinha áreas específicas onde as diferentes guildas ou grupos de comércio se concentravam, e as placas de rua ajudavam os visitantes a encontrar seus membros. Por exemplo, uma placa de rua que apresentava uma bigorna poderia indicar a presença de uma forja ou de uma guilda de ferreiros.

Exemplo gráfico de como seria as placas na idade média.

As placas de rua também eram usadas para fins de identificação, especialmente em cidades onde muitas casas eram construídas com o mesmo estilo e materiais. As placas de rua ajudavam as pessoas a identificar sua casa ou o local que estavam procurando.

Ao longo do tempo, as placas de rua medievais foram substituídas por placas de rua padronizadas, especialmente à medida que as cidades cresceram e se expandiram. No entanto, muitas cidades ainda preservam placas de rua antigas como parte de sua história e patrimônio cultural.

Sec. XVIII

No século XVIII, as placas de rua começaram a se tornar mais comuns em toda a Europa. Durante esse período, houve um aumento no comércio e no desenvolvimento urbano, o que tornou as placas de rua uma necessidade importante para orientar as pessoas pelas cidades em crescimento.

As placas de rua no século XVIII eram feitas de uma variedade de materiais, incluindo madeira, metal, ferro fundido e pedra. Elas eram muitas vezes elaboradas e decorativas, apresentando letras em negrito e desenhos intrincados que ajudavam a identificar o local ou a rua.

Exemplo de uma placa ao estilo medieval

Além de indicar o nome da rua, muitas placas de rua do século XVIII apresentavam informações adicionais, como o nome do proprietário da propriedade ou a atividade que era realizada naquele local. Algumas placas de rua também apresentavam o brasão de armas da cidade ou do país para indicar que as pessoas estavam entrando em uma nova jurisdição.

Com o aumento do comércio, as placas de rua também se tornaram uma forma importante de publicidade para as empresas locais. As empresas começaram a usar placas de rua elaboradas e decorativas para chamar a atenção dos clientes e se destacar da concorrência.

No final do século XVIII, a Revolução Industrial trouxe mudanças significativas na fabricação de placas de rua. A produção em massa de placas de rua padronizadas se tornou possível com a introdução de novas tecnologias, como a impressão em massa e a litografia. As placas de rua padronizadas eram mais acessíveis e uniformes em toda a cidade, tornando mais fácil para as pessoas se orientarem.

Século XIX

No século XIX, as placas de rua tornaram-se ainda mais comuns nas cidades da Europa e América do Norte. À medida que as cidades cresciam e se desenvolviam rapidamente, tornou-se cada vez mais importante ter placas de rua para orientar as pessoas e ajudá-las a encontrar seu caminho pela cidade.

No início do século XIX, a maioria das placas de rua ainda era feita à mão por artesãos locais. Elas eram frequentemente elaboradas e decorativas, apresentando letras em negrito e desenhos intrincados que ajudavam a identificar o local ou a rua. No entanto, à medida que a produção em massa se tornou mais comum, as placas de rua começaram a ser fabricadas em maior escala e com materiais mais duráveis, como ferro fundido e bronze.

Exemplo de placa francesa datada do sec.XIX

Durante a segunda metade do século XIX, as placas de rua se tornaram ainda mais padronizadas e uniformes em toda a cidade. Muitas cidades começaram a adotar um sistema de numeração de ruas para tornar mais fácil para as pessoas se orientarem. As placas de rua geralmente apresentavam o número da rua em negrito, seguido pelo nome da rua em letras menores.

Com o aumento do tráfego de veículos no final do século XIX, as placas de rua também se tornaram uma forma importante de segurança nas cidades. Muitas cidades começaram a adotar padrões mais claros e uniformes para as placas de rua para torná-las mais fáceis de ler à distância.

Placas de rua. Sec XX

No início do século XX, a produção em massa e a padronização das placas de rua se tornaram ainda mais comuns, e as placas de rua começaram a ser feitas em materiais mais modernos, como alumínio e plástico. Hoje em dia, as placas de rua são frequentemente feitas de materiais duráveis ​​e são projetadas para serem fáceis de ler e durar por muitos anos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as placas de rua em muitas cidades europeias desempenharam um papel importante no planejamento militar e na mobilização de tropas.

Em algumas cidades, as placas de rua foram usadas para ajudar a guiar as tropas em marcha e para direcioná-las para posições defensivas. As placas de rua também foram usadas para identificar locais importantes, como instalações militares, hospitais e abrigos antiaéreos. Em muitos casos, as placas de rua foram removidas ou cobertas para evitar que os invasores estrangeiros as usassem para se orientar na cidade.

A importância dessas placas pode ser vista em todos os aspectos da vida cotidiana durante a guerra. Por exemplo, as placas de sinalização foram usadas para orientar os motoristas durante a blackout (apagão), uma medida de segurança tomada em várias cidades para evitar que as luzes noturnas atraíssem os bombardeiros inimigos. As placas de sinalização direcionavam o tráfego de maneira organizada, garantindo que os motoristas não se perdessem e chegassem a seus destinos com segurança.

Além disso, as placas de sinalização eram usadas para indicar rotas de evacuação em caso de ataque aéreo. Essas rotas eram cruciais para garantir que as pessoas pudessem deixar as áreas de conflito o mais rápido possível e encontrar abrigo seguro. As placas de sinalização indicavam a direção das rotas de evacuação, garantindo que as pessoas soubessem para onde ir em caso de emergência.

As placas de sinalização também foram usadas para alertar as pessoas sobre áreas perigosas, como locais de bombas não explodidas. Durante e após os bombardeios, muitas áreas se tornaram perigosas devido a bombas que não explodiram. As placas de sinalização alertavam as pessoas sobre essas áreas, garantindo que elas não se aproximassem e se colocassem em risco.

No final da guerra, muitas cidades europeias sofreram danos significativos e muitas placas de rua foram destruídas ou danificadas. Muitas cidades tiveram que reconstruir suas infraestruturas urbanas, incluindo suas placas de rua.

Hoje em dia, as placas de rua em muitas cidades europeias ainda exibem as cicatrizes da Segunda Guerra Mundial, com algumas placas exibindo marcas de tiros e outras danos de combate. No entanto, muitas cidades têm trabalhado para restaurar e preservar suas placas de rua históricas como parte de sua herança cultural e patrimonial.

Em resumo, as placas de sinalização de rua foram cruciais para garantir a segurança das pessoas durante a Segunda Guerra Mundial. Elas desempenharam um papel fundamental em manter as estradas e os cidadãos seguros em um período de grande turbulência. Mesmo hoje, as placas de sinalização de rua continuam sendo uma ferramenta essencial para manter a segurança e a ordem nas ruas.

Adquira nossos produtos em nosso site relacionados ao tema, segue link:

Placa Artesanal – Omaha Dog Green

Referência Bibliográfica:

Site: Nos Rastros da História.

3 comentários em “A história das placas de rua “street signs”

  1. Flavio Dutra disse:

    Muito interessante, valeu de mais a leitura!!!

  2. Flavio Dutra disse:

    Muito interessante, valeu de mais a leitura !!!

  3. Carlos disse:

    O texto é super completo e esclarecedor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *